*As Pessoas Só Crescem ao Ritmo a que São Obrigadas*

Os jovens de agora parece que têm dificuldade em crescer. Não sei porquê. Se calhar as pessoas só crescem ao ritmo a que são obrigadas. Um primo meu, com dezoito anos, já tinha as insignías de auxiliar do xerife. Era casado e tinha um filho. Tive um amigo de infância que, com a mesma idade, já tinha sido ordenado sacerdote baptista. Era pastor de uma igrejinha rural, muito antiga. Ao fim de uns três anos foi transferido para Lubbock e, quando disse às pessoas que se ia embora, elas desataram todas a chorar, ali sentadas no banco da igraja. Homens e mulheres, todos em lágrimas. Tinha celebrado casamento, baptizados, funerais. Com vinte e um anos, talvez vinte e dois. Quando pregava os seus sermões, a assistência era tanta que havia gente de pé no adro a ouvir. Fiquei espantado. Na escola ele era sempre tão calado.

(...) A Loretta contou-me que ouviu falar na rádio de uma certa percentagem de crianças deste país que está a ser criada pelos avós. Já não me lembro do número. Era bastante alto, pareceu-me. Os pais não querem ter esse trabalho. Conversámos sobre isso. Demos connosco a pensar que quando a próxima geração crescer e também já não quiser criar os filhos, quem é que vai tomar essa tarefa a seu cargo? Os pais deles vão ser os únicos avós disponíveis e nem os próprios filhos quiseram criar. Não encontrámos resposta para isto.

Cormac McCarthy, in 'Este País Não É para Velhos'

(*)

Buried at Photocasket.com

28 comentários:

Lylilyn@ disse...

Posso confessar que eu tenho medo que meus filhos cresçam, se afastem e não precisem de mim...
"Felicidades neste Ano que esta chegando", que a vida continue te presenteando com coisas boas. Muita paz, Saude e Amor, são meus sinceros votos!
Liz

ANTONIO DELGADO disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
ANTONIO DELGADO disse...

Não tenho filhos, maspr questões profissionais lido com uios filhos que não são meus. Aprendo muito com eles. Reconheço que não tem a responsabilide de outrora. mas compreendo que as realidades também nao são comparaveis...há um longo debate a fazer.

Uma abraço e bom ano de 2008
António

125_azul disse...

Haverá algum país que seja para velhos? Se até para os novos está difícil...
Feliz ano novo e com certeza, até a um próximo jantar.

rascunhos disse...

Parece-me bem verdadeiro esse titulo.

Excelente Ano

beijo c carinho

multiolhares disse...

Talvez hoje os pais queiram dar o conforto aos filhos
Que não tiveram
Talvez hoje seja mais importante o trabalho
Talvez hoje não exista tempo para as crianças
Talvez….

Talvez estejamos tão egocêntricos, que deixamos
de saber transmitir os valores
Deixamos de querer partilhar momentos de ternura com
As nossas crianças, com a família, é mais fácil
Comprar algo
Para os entreter, para não “chatearem”
Talvez o nosso mundo esteja em recessão,
Quero acreditar que não
Quero acreditar que ainda somos humanos

Beijinhos
luna

Bruno disse...

Será que se deve crescer muito depressa???

Qual a velocidade ideal de crescimento????

Acho que se deve crescer com os pequenos saltos da vida.

Popper disse...

Não será tempo de parar, pensar e arrumar as coisas no sítio certo? O texto é uma boa pista para reflectir sobre as incertezas do futuro, afinal já presente. Abraço.

Tiago R Cardoso disse...

Infelizmente ao ritmo que anda a nossa vida e para poder sobreviver, a maioria não tem tempo para os filhos, infelizmente a sociedade atropela que parar, temos de lutar todos para conseguirmos esse precioso tempo...

quintarantino disse...

Os tempos são outros, os ritmos são outros, os modos de ser outros são... tudo mudou, mas para melhor? Responda quem quiser...

Sol da meia noite disse...

Inquietante o último parágrafo. Dá mesmo que pensar.
Pois eu acho que se cresce ao ritmo do que se exige. Assim o entendo.

Xi-coração

MIMO-TE disse...

Um texto excelente para reflectir.

Eu sou muito optimista e sou mãe, aliás nasci mãe :) Quero dizer que desde miuda sempre quiz ser mãe.:)
Fui mãe com 19 anos, ainda estuda e não deixei de o fazer, eduquei esse filho que agora é bem maior do que eu, com amor! Amor de mãe...
Não entendo como pode ser de outra forma. O meu mais pequeno nasceu comigo já mulher, mas comtinuo a educalo com amor. Que importa se são mais ou menos maduros? não será mais importante serem pessoas humildes e humanas? Eu casei e fui mãe cedo, não tenho dúvidas que fui boa mãe, mas seria boa mãe na mesma se o tivesse sido mais tarde. Importa é ter amor para dar e depois é só deliciarmo-nos a velos crescer e questionarmo-nos, meu Deus porque mereço tanto???
Desculpem, falo deles e fico assim, babada! :)))

Acredito mesmo nesta nova geração!!!

miminhos meus

Pena disse...

Minha Amiga:
A vida, feliz ou infelizmente, não nos faz "proprietários" do amor dos nossos filhos. Se fosse como desejássemos seriam inteiramente nossos, entregues ao que somos e mimá-los-íamos de tal forma que não saberiam crescer ou lutar por ela.
Estaríamos a coartar-lhes os seus mistérios.
Tive um amigo que se deslocou, teve necessidade de se deslocar a Itália, e me entregou a sua filha adolescente com toda a confiança em mim para protegê-la. Perante a minha alguma aflicção disse: "OLha, antes de tudo, a minha filha não é filha de ninguém é filha da vida". Fiquei a pensar naquilo e na sua grandiosa veracidade. Não nascemos pertença de ninguém e ninguém, hoje em dia, nos tempos que correm, não pertecem senão a eles próprios. Mais tarde, a esposa morreu num trágico acidente rodoviário, um dia antes tinha estado em minha casa com a sua família convivendo com uma alegria e felicidade só dela, contagiante e bela.
Crescer tem um tempo. Difícil de aceitar nos dias que correm, mas não lhes podemos coartar a liberdade de crescer na entrega, na busca, na procura com ou sem perigos, de uma vida que lhes vem bater à porta para conhecerem. Calma. Ponderação. Orientação. Desafio. Confiança.
OLhe, excelente tema para tertúlia com os amigos. Não desgostaria de tê-la consigo, seria, de certeza, apaixonnate, creio.
OBRIGADO pela visita.
Beijinhos amigos rodeados de encanto
Sempre a lê-la com paixão e encanto


pena

Lu@r disse...

Este post faz-me recordar o filme que vi ontem "No Country for Old Men" simplesmente espectacular e aconselho ver.

Beijo

rosa dourada/ondina azul disse...

Hoje em dia, os avós têm parte activa na educação e no crescimento dos netos.

Mercê de vários factores, os pais são "obrigados" muitas vezes a pedir a ajuda dos familiares para acompanharem os seus filhos.

Como será no futuro?


Beijinho te deixo, neste dia, com um sol lindo a espreitar...

melgadoporto disse...

“Quando guri, eu tinha de me calar, à mesa: só as pessoas grandes falavam.
Agora, depois de adulto, tenho de ficar calado para as crianças falarem.
Mário Quintana”
Mas afinal o que é crescer?
Ainda mais quando se lhe quer impor um ritmo!
:)

Pena disse...

Simpática Amiga:
Um excelente fim-de-semana com tudo de magnífico, retribuo.
Obrigado por existir. A sua amabilidade é imensa e merece todo o meu encanto e reconhecimento.
OBRIGADO!
Beijinhos com estima repletos de bem-estar.

pena

Chama Violeta disse...

Passei para deixar-te um beijinho, um grande abraço e um FELIZ 2008!!

O Profeta disse...

Novos ventos...o atropelo de novos conceitos, às vezes páteticos...


doce beijo

Bichodeconta disse...

Fica a reflexão, é um caso tão sério, nem as pessoas sabem quanto..Eu tenho 54 anos, tive de crescer rápido, criar os irmãos, aos 9 anos trabalhar no campo... foi duro demais.. Aos 29 fui mãe, nunca deixei a filha entregue a qualquer pessoa para ir a festas ou passagens de ano..Simplesmente não fui nunca.. E reconheço hoje que não ganhei nada com isso.. A filha cresceu, fez-se mulher, diz que a ser mãe, só se eu lhe criar os filhois.. É um assunto muito preocupante..um abraço e bom ano...

Outonodesconhecido disse...

O grand eproblema, quanto amim, é que anteriormente as crianças creciam com o modleo do adulto, acompanhavam as suas vivências, aprendiam com as suas experiências...
hoje os adultos tornaram-se infantis imitando as crianças. Esta inversão de papéis trará, a curto e médio prazo um grave desequilibrio a nível socia. ma sisto as pessoas só vão saber quando estiveram dentro do problema. Até lá vemos ´continuaremos a ve ruma série d eadultos feitos imbecis a imitar crianças.

MentesSueltas disse...

Pasaba a saludar y dejar un abrazo.
MentesSueltas

Eärwen Tulcakelumë disse...

Crescer...por certo, todos temos e vamos, mas acredito que o principal é não envelhecermos por dentro...

Venho deixar a primeira pérola incandescente de amizade para te acompanhar neste novo ano.

Com carinho

Eärwen

Analycia disse...

Adorei, simplesmente sublime. Obrigada

Manuela disse...

Sabes... adorei ler-te como sempre, hoje mais um bocadinho...GRANDE...
Eu também pertenço ao mundo das crianças que foram criadas pelos avós... os meus pais eram muito novos, eu fui um "acidente" de percurso... por isso só quase passava os fins de semana em casa :)
Foram os melhores tempos da minha vida, o amor da minha avó e do meu avô é eterno no meu coração, nas minhas palavras, sou filha deles...
Não sei se teria sido mais feliz do que hoje, tive os melhores avós do mundo.
Por isso embora hoje isso seja mais frequente, eu tenho 38 anos :)
tenho uma filha está comigo e estará sempre no que dependre de mim...
beijo grande em TI.

Pearl disse...

que será dos netos...
as pessoas recusam-se acrescer!
Tb, com o mundo que temos, quem é que quer ser adulto???
:o)))***

vsuzano disse...

por tudo o que li... ainda bem que não cresci...

beijo

BELMAR disse...

Te invito a la denuncia del "Acuífero Guaraní..."

en


http://antiveroladoc.blogspot.com/